Miguel o cara que jamais pensou em demissão (você é um Miguel?)

[ Demissão ] Miguel era um cara simpático, gente fina. Aquele tipo de pessoa que você gosta de ter ao lado.

Nunca faltou ao trabalho, cumpria suas atividades, porém era um cara de não ter muitas ambições, metas e objetivos. Digamos que ele era uma pessoa normal, vivendo em uma empresa normal e levando a vida dia após dia. 

Miguel era Gestor de Produção, de uma empresa de grande porte, atuou em projetos muito bacanas, fez as coisas acontecerem e ficou naquela empresa por sete anos. Até que veio a demissão. 

Você já passou por essa situação? 😢

Aquele frio na barriga e o coração batendo mais forte, por não saber como será o dia de amanhã, após uma demissão?

Se você está vivendo uma experiência parecida como a de Miguel, venha conhecer essa história. 

Então continue lendo esse artigo para saber mais sobre:

1 – A história de Miguel (e como ele jamais pensou em demissão)
2 – Miguel passou a vida acreditando em emprego
3 – Miguel não buscou emprego da maneira certa
4 – Miguel ficou parado no tempo e estagnado na carreira
5 – Miguel nunca tentou fazer diferente

➡ Gostou do que vem por aí? Aproveite e já compartilhe esse artigo, para que cada vez mais pessoas acessem esse material.

1 – A HISTÓRIA DE MIGUEL (E COMO ELE JAMAIS PENSOU EM DEMISSÃO)

demissão

Então Miguel era Gestor de Produção. Ele trabalhava em uma empresa de grande porte, que ficava na cidade de Caxias do Sul.

Era uma cidade turística muito bela, e com várias indústrias.

Ele era um trabalhador honesto e correto, assim como você. Sempre acordava cedo, dormia tarde, chegava no horário certo para trabalhar. Ele até atuou em vários projetos muito bacanas, fez as coisas acontecerem e ficou muito tempo naquela empresa. 

Na verdade, Miguel amava o seu trabalho, por isso nunca pensou que seria demitido algum dia. Até estava convicto de que se aposentaria ali. A menos que chegasse um dia, que surgisse uma oportunidade muito boa.

“Acontece que Miguel não estava preparado para uma demissão. E isso o abalou.”

Ao passar os anos, Miguel entrou no modo o automático: tudo o que ele fazia era trabalhar todos os dias (pra ser franco, ele trabalhava demais).

Não media esforços para ficar até tarde, chegar mais cedo ou trabalhar nos fins de semana. Até mesmo aceitar as viagens que surgiam do nada.

Miguel não sabia o que era ter uma vida pessoal. Já que ele não tinha tempo para isso.

E com isso, ele também ficou fora do que acontecia no mercado de trabalho. Raramente participava de algum evento relacionado a sua área ou realizava algum curso para se atualizar. Foi assim que ele parou de se desenvolver como profissional.

A rotina e a zona de conforto pairavam sobre sua carreira.

Por isso, quando a demissão chegou na sua vida, ele ficou sem chão. Simplesmente porque não acreditou ou não parou para pensar que esse dia poderia chegar. E infelizmente chegou.

2 – MIGUEL PASSOU A VIDA ACREDITANDO EM EMPREGO

demissão

Para Miguel, foi muito fácil essa estabilidade financeira durante esses sete anos. Ele recebia um salário fixo e bom, que todos os meses vinha em sua mão.

Então, ele também acreditou que a única forma de trabalhar era procurando empregos naquele mesmo formato de sempre: jornada fixa, horários fixos, salário fixo.

Ele ficou muito acomodado nisso. Nunca conseguiu imaginar que poderia talvez ter uma rotina diferente, que não envolva dirigir um tempão até seu trabalho, para trabalhar das 8h às 18h ou até mais do que isso. 

Ele nem se sentiria a vontade de seguir outros horários, tentar o 2º turno, 3º turno, free lancer, home-office, professor, palestrante, até porque a vida toda disseram que esse jeito era o certo, esse jeito era o único. 

Agora Miguel se sente estranho, sem poder se apresentar como “Oi, sou o Miguel, Gestor de Produção da empresa tal”. Ele está tão apegado que necessita pertencer a algo.

Portanto, ele sequer pensou que nesse período ele poderia fazer outras coisas. Nem que seja provisoriamente até conquistar sua recolocação.

Miguel podia tentar empreender, mas ele pensa que isso é para outro tipo de gente. Já que existe uma instabilidade e nenhuma garantia que receberia algum retorno financeiro no fim do mês.

Ele poderia tentar ser consultor, quem sabe. Se ele é bom com projetos e gestão de pessoas, poderia propor uma consultoria ou um workshop sobre o tema, mas ele morre de medo de se aventurar em algo desconhecido. 

Ele poderia fazer um concurso público, atuar com vendas, revendas, palestrar, ser UBER, produzir algo. Enfim, qualquer ocupação provisória até voltar ao mercado de trabalho. Mas ele descartou essas possibilidades.

3 – MIGUEL NÃO BUSCOU EMPREGO DA MANEIRA CERTA

Demissão

Miguel nunca imaginou que chegaria a demissão e precisasse realmente ter um networking eficaz.

Ele até ouviu dizer que networking é: “conhecer profissionais certos, para contatar no momento certo”, mas ele não levou muita fé e nunca se aprimorou nisso.

Então ele apelou e enviou o currículo para alguns amigos, pensando que talvez ajudariam ele a conquistar um outro emprego.

Mas sabe o que os amigos fizeram?

Infelizmente nem chegaram a ver o e-mail e muito menos enviaram para a empresa. 

Até houve um que chegou a mandar, mas quando o currículo chegou até a mesa do setor de recursos humanos, foi no momento errado, e ele foi descartado.

Foi aí que ele ouviu de um conhecido, que existe o programa Apoio à Transição de Carreira – Outplacement da Opus Recursos Humanos, que auxilia profissionais que estão em busca de recolocação ou de transição.

Transição Carreira - Outplacement

Além disso, amplia o networking, realiza uma assessoria de carreira, prospecta vagas do mercado de trabalho e capacita o profissional para retomar ao posto de trabalho.

Porém Miguel pensou que não era necessário um profissional para desvendar os segredos de uma boa recolocação, e prefere gastar muito mais tempo e energia para alcançar esse resultado sozinho, com o seu próprio esforço. Foi assim que Miguel ficou parado no tempo.

4 – MIGUEL FICOU PARADO NO TEMPO E ESTAGNADO NA CARREIRA

demissão

Miguel era um ótimo profissional.

Porém estava tão envolvido em ser um ótimo funcionário naquela empresa, que não se atualizou no que estava acontecendo no mercado de trabalho. 

Sinceramente ele nem sabe qual foi a última vez que fez um curso. Depois que saiu da faculdade, nunca mais voltou.

Afinal, bom funcionário para ele, é sinônimo de quem apenas veste a camisa.

Agora, ele nem consegue encaixar o que ele tem de habilidades em outros formatos.

Na verdade, ele nem consegue interpretar uma vaga de emprego e entender se existe uma relação mínima entre o que pedem e o que ele pode oferecer.

Ele está tão viciado que vai buscar vagas apenas com o mesmo título do seu emprego anterior.

Miguel parou de se desenvolver como profissional. Ele poderia ter feito parte do Programa de Coaching da Opus Recursos Humanos, que é a oportunidade ideal de se desenvolver, atingir todo potencial humano e evoluir na carreira.

O Coaching cria hábitos saudáveis para potencializar a carreira dos participantes. 

Mas Miguel achou que não era necessário, já que ele era um bom funcionário. Nunca imaginou que poderia ser ainda melhor.

5 – MIGUEL NUNCA TENTOU FAZER DIFERENTE

demissão

Miguel ontem foi chamado por uma empresa para fazer parte de um processo seletivo. 

Sinceramente ele teve sorte, porque mandou um currículo totalmente desorganizado, monótono, com 4 folhas e frases clichê. Ele nunca chegou a ler o nosso artigo sobre como ter um currículo campeão.

Na entrevista, ele cometeu vários deslizes.

Não analisou informações sobre a empresa antes de ir, vestiu-se fora do contexto, falou umas oito frases de efeito e exigiu informações no momento errado. Até queriam contratar ele, porque tecnicamente era bom, mas ele pecou na forma de agir, sendo tão clichê e antiquado daquele jeito.

Histórias como a de Miguel acontecem todos os dias. Não seja como ele. Mude, faça diferente.

A verdade é que existem muitas pessoas como Miguel pelo mundo. Talvez você seja uma delas.

Muitas pessoas buscam recolocação, porém cometem muitos erros. Um deles é de não analisar do porque houve a demissão.

Além disso, de não ter um planejamento de carreira e acabam “atirando para todos os lados”. Buscando emprego e não oportunidades/desafios.

Acontece que além de você passar a mensagem errada, suas chances diminuem muito.

Procure entender melhor quem é você. Até onde quer chegar. Entenda seus interesses, habilidades, gostos e valorize a experiência que você já conquistou.

Também é de extrema importância que você reflita sobre sua trajetória profissional e experiências acumuladas ao longo dos anos.

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) dizem que 2017 teve 13,6 milhões de pessoas desempregas em todo o Brasil. 

Cada caso é um caso, mas de maneira geral, é importante você saber falar de suas qualificações, destacar competências, desafios, projetos e resultados alcançados, isso vai ajudar você a adotar uma postura mais positiva e passar confiança nos processos seletivos.

Mantenha-se atualizado. Lembre-se que demissões acontecem. Então você precisa estar preparado. Nunca deixe de estudar, ler assunto da sua área, jornais, revistas, artigos, fazer uma graduação, especialização e entre outros.

Tudo isso reflete em sua carreira.

Para finalizar, saiba que você é o dono da sua carreira e responsável por ela. Então trate-a bem. Ninguém é capaz de administrá-la melhor do que você.

Nunca passe essa responsabilidade para alguém ou para uma empresa.

Se você gostou das dicas que falamos nesse artigo, não esqueça de compartilhar. Se tiver alguma dúvida, coloque nos comentários ⤵ Ficaremos felizes em te responder 😉

Comments

comments

Deixe um comentário